Mercedes-Benz lança novo basculante Arocs 8×4 para mineração e construção pesada

A Mercedes-Benz está introduzindo o novo caminhão extrapesado Arocs 8×4, indicado para operações off-road, principalmente mineração, construção civil pesada e grandes obras de infraestrutura. O modelo, assim como toda a linha Arocs, possui alguns elementos do extrapesado rodoviário Actros, como a cabine, que oferece muito espaço e conforto aos operadores.

“O Arocs traz em seu DNA a origem alemã, destacando-se pelo seu alto padrão de qualidade e eficiência. Aqui, no Brasil, o Arocs 8×4 foi desenvolvido e intensamente testado pelos engenheiros da Empresa em operações severas fora de estrada e nos locais de trabalho de empresas que são referência no setor de mineração. Ou seja, esse nosso novo gigante off-road nasceu em operações reais brasileiras a partir da necessidade de nossos clientes”, ressalta Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil.

O Arocs chega ao mercado brasileiro atendendo a uma demanda das empresas de mineração e grandes construções do país, projetado com robustez para atender situações extremas de operação, em terrenos com topografia muito severa, mas trazendo alta tecnologia e elevado nível de conforto para o motorista em qualquer condição de temperatura ambiente. “Muito importante para nós é que o Arocs atende cada exigência que nós ouvimos diretamente dos nossos clientes. Por isso, eu não canso de repetir: As estradas falam e a Mercedes-Benz ouve cada voz. E agora também: as mineradoras falam e a Mercedes-Benz ouve cada voz delas”, diz Leoncini.

Essa versão é inédita na família Arocs, que na Europa está disponível também em outras configurações. O modelo à venda no Brasil, que ganhou itens específicos para o mercado nacional, apresenta capacidade técnica para até 58 toneladas de PBT (peso bruto total) e 150 toneladas de CMT (capacidade máxima de tração), conforme as condições de operação, e preparado para receber básculas de 20 a 24 metros cúbicos de capacidade volumétrica de carga.

“O Arocs 8×4 é a evolução da Mercedes-Benz no segmento off-road, que atendíamos, até pouco tempo, com o Actros 4844 8×4. Ele será a nova referência no Brasil em disponibilidade e produtividade nas operações fora de estrada, como também em conforto e praticidade. Aliás, mais de 200 unidades já foram comercializadas, com as primeiras entregas previstas já para este ano”, destaca Roberto Leoncini.

“Esse fantástico bruto para operações off-road chega ao país consagrado pelo sucesso na Europa e em outros mercados. Aqui, ele ganha uma série de características específicas para atender o Brasil e outros países com condições extremas de operação fora de estrada como as nossas, porque também será exportado, a partir do ano que vem, para a América Latina e outros continentes”, declara Ari de Carvalho, diretor de Vendas e Marketing Caminhões da Mercedes-Benz do Brasil.

O Arocs é equipado com o motor Mercedes-Benz OM 460 LA de 13 litros, consagrado no caminhão premium rodoviário Novo Actros, com potência de 510 cv a 1.800 rpm e torque de 2.400 Nm a 1.100 rpm, acoplado ao câmbio totalmente automatizado Mercedes PowerShift G340 de 12 marchas, sem pedal de embreagem, permitindo ao propulsor, mesmo em condições extremas, operar com suavidade. A caixa PowerShift G340 oferece três modos de operação: Economy, Standard e Power Off-road.

O câmbio automatizado de última geração PowerShift 3 foi desenvolvido especificamente para o mercado brasileiro fora-de-estrada, possuindo inteligência embarcada, com troca de marchas mais rápidas e eficientes. A caixa é reforçada, com engrenagens mais largas, aumentando sua resistência e vida útil, e não possui anéis sincronizadores, reduzindo a demanda por manutenção. O câmbio conta com alavanca multifuncional na coluna de direção, com funções Hill Holder e Hold, oferecendo mais praticidade e segurança nas partidas em rampas. A embreagem é bidisco de 440 mm, com torque máximo de até 3.300 Nm, solução consagrada na mineração, com espessura de 3 mm de cada disco, proporcionando longa vida útil e maior disponibilidade do veículo.

A tomada de força com rotações mais baixas do motor assegura menor tempo de basculamento da caçamba, otimizando o descarregamento do caminhão. O conjunto de eixos traseiros Mercedes-Benz HL7 + HD7 conta com redução nos cubos e capacidade técnica de até 20 toneladas por eixo e bloqueio de diferencial transversal e longitudinal de série. O freio a tambor e as cuícas verticais estão mais protegidas dos impactos do solo.

A suspensão dianteira do Arocs é formada por molas parabólicas de 4 lâminas assimétricas, com capacidade de carga de 9 toneladas para cada um dos dois eixos dianteiros direcionais, assegurando maior capacidade de carga e melhor distribuição de carga no veículo, além de maior conforto e estabilidade de direção. As molas foram projetadas e testadas especificamente para condições extremas off-road, com barras estabilizadoras no primeiro e no segundo eixos, com buchas de metal-borracha livres de manutenção nas molas, amortecedores e estabilizadores.

Já a suspensão traseira do Arocs foi otimizada para garantir a máxima durabilidade e confiabilidade, contando com molas parabólicas reforçadas, com 100 mm de largura, proporcionando melhor estabilidade, maior rigidez e vida útil mais longa, além de barras estabilizadoras reforçadas e amortecedores de dupla ação. As suspensões independentes têm fixação com “jumelo”.

O freio do Arocs é a tambor com progressividade controlável devido à integração com o freio eletrônico, além de apresentar design fechado que evita a entrada de detritos ou sujidades. O sistema de freio eletrônico conta com ABS e ASR, resultando distância de frenagem otimizada em comparação com os sistemas de freios convencionais. A função Hill Holder integrada facilita a movimentação em aclives.

O Arocs conta ainda com freio de estacionamento eletrônico e função Hold, ativada quando o veículo está parado através do acionamento do pedal de freio com mais força, podendo ser desativada pelo motorista por meio de tecla. A função é liberada assim que o pedal do acelerador é operado novamente. O Hold é ativado automaticamente quando o motor é desligado e também pode ser ligado e desligado por meio de alavanca na cabine. Um diferencial do freio de estacionamento eletrônico é o seu acionamento automático ao abrir a porta do caminhão com o veículo parado, garantindo maior segurança à operação.

Atendendo a pedidos dos clientes, o Arocs conta com retarder a óleo, outro diferencial de mercado da Mercedes-Benz. Em combinação com os demais sistemas de freio, o retarder Voith R115 HV oferece cerca de 900 cv de potência de frenagem a 2.300 rpm, resultando em mais segurança e menos manutenção.

Os tanques de combustível de 400 litros e de ARLA de 25 litros do Arocs são fabricados em material plástico de alta resistência. Suportam pequenos impactos sem sofrer ruptura e sem deformações residuais. Também a pedido dos clientes, os tanques de combustível e de ARLA estão instalados do mesmo lado do caminhão, facilitando as operações nas condições severas da mineração.

O quadro do chassi do Arocs 8×4 é robusto e mais elevado, assegurando uma maior distância em relação ao solo para operações em terrenos acidentados. O chassi possui projeto modular que facilita a implementação de carroçarias e instalação de equipamentos. Os ângulos de ataque e saída são de 25 graus graças, com para-choques frontal e traseiro mais elevados em relação ao solo, a 250 mm de altura, assegurando maior facilidade de acesso em rampas íngremes e menor vulnerabilidade dos componentes a impactos.

A longarina possui espessura de 9 mm, apresentando maior resistência e menor peso. O chassi traz consoles para otimizar o processo de encarroçamento e furação da longarina padronizada para facilitar a fixação da carroçaria, sem necessidade de retrabalhos adicionais. O chassi do Arocs também garante fácil acesso às conexões e as tomadas de força podem ser com ou sem flange.

“O Arocs chegará ao mercado com o menor TCO (custo operacional total) entre seus principais concorrentes e com potencial enorme de ganhos econômicos para os clientes. A manutenção preventiva, por exemplo, demandará menos tempo e menor custo. Para se ter uma ideia, o tempo de manutenção de um veículo da concorrência é 2,5 vezes maior. E teremos 49% menos paradas para manutenção. Serão 22 paradas a menos do que os caminhões da concorrência”, finaliza Silvio Renan, diretor de Peças e Serviços ao Cliente da Mercedes-Benz do Brasil.

Foto: Mercedes-Benz