CNT emite nota afirmando que não apoia paralisação de caminhoneiros

A Confederação Nacional do Transporte (CNT), entidade máxima de representação do setor de transporte no Brasil, emitiu nota à imprensa nesta quinta-feira (9), na qual afirma que vem acompanhando com preocupação os registros de paralisações com bloqueios do tráfego em diversas rodovias do país. 

A entidade informa que não apoia nenhum tipo de paralisação e reafirma o compromisso do setor transportador com a sociedade e com o inegociável direito de ir e vir. A CNT também esclarece que desconhece o teor da pauta desses profissionais.

Os bloqueios nas rodovias, alerta a confederação, podem provocar sérios transtornos à atividade econômica, impactando diretamente o abastecimento das cidades brasileiras, em um contexto ainda marcado pela pandemia da covid-19. Poderá haver graves dificuldades para realizar o transporte de produtos de primeira necessidade da população, como alimentos, medicamentos e combustíveis – atingindo assim a produção, o comércio e, por extensão, o consumidor final.

A CNT conta com a ação dos governos federal e estaduais para assegurar às empresas de transporte rodoviário de cargas o seu pleno exercício. Nesse sentido, a entidade espera que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) – instituição reconhecida pela excelência na sua atuação – trabalhe, decisivamente, para retirar os bloqueios e garantir a segurança nas nossas estradas.

A Confederação enviou ofício, nesta quinta-feira, ao diretor-geral da PRF, Silvinei Vasques, solicitando que o órgão adote todas as medidas para assegurar o direito de ir e vir e de livre circulação nas rodovias em todo o país. Asseguradas tais garantias, as transportadoras asseveram o restabelecimento da normalidade no abastecimento do país, diz a CNT na nota.

De: Agência CNT | Foto: CNT