Volvo amplia segundo turno da linha VM e comemora 70 mil exemplares produzidos do modelo

A Volvo anunciou na semana passada o retorno do segundo turno na produção de caminhões da linha VM em seu complexo industrial em Curitiba (PR). A medida foi tomada para atender ao aumento de demanda pelo modelo, que vem crescendo desde o ano passado.

“Estamos adequando nossa produção à forte demanda dos clientes por esse modelo, que vem crescendo de forma consistente desde o ano passado e continua dando sinais positivos em 2021”, declara Alcides Cavalcanti, diretor executivo de Caminhões da Volvo.

No mesmo dia em que retoma a operação em dois turnos, a Volvo comemora a produção de 70 mil unidades do VM. “O VM número 70 mil é um veículo rígido, com motor de 270 cv 6×2, justamente o modelo mais vendido desta linha”, celebra Cyro Martins.

Toda a fábrica da Volvo passa a operar em dois turnos. “Nossa fábrica passa a ter todos os processos de manufatura de caminhões, motores, caixa de câmbio e cabines em dois turnos de produção”, afirma Cyro Martins, vice-presidente de Manufatura da Volvo.

As vendas do VM cresceram 24% em 2020. O modelo mais emplacado da marca nessa linha é o semipesado VM 270 6×2, conforme já mencionado por Martins, mas o pesado VM 330 8×2 tem crescido na preferência dos transportadores que desejam um chassi rígido de grande capacidade ao invés de um cavalo mecânico de entrada atrelado a uma carreta de três eixos.

“O VM é muito versátil e se adapta facilmente às diferentes necessidades do transporte, sejam rodoviárias, urbanas ou em aplicações vocacionais. Ele gradativamente conquistou a preferência dos frotistas, principalmente em virtude do baixo consumo de combustível, do reduzido custo de manutenção e da alta disponibilidade”, destaca Alcides Cavalcanti.

O Volvo VM tem versões para todas as aplicações rodoviárias e urbanas e também para as vocacionais e mais severas, como coleta de resíduos, construção civil (caçamba ou betoneira), atividades do agronegócio, como os setores canavieiro e florestal, entre outras.

Projetado com foco nos mercados da América Latina, o VM foi totalmente desenvolvido no Brasil e lançado em 2003, tendo aberto uma nova etapa na operação local da Volvo, que até então só produzia caminhões extrapesados. O modelo compartilha seu projeto com a série D da Renault Trucks francesa e modelos do Grupo Paccar, como o DAF LF neerlandês e a série K da Kenworth norte-americana.

O VM é o primeiro caminhão a ter versão autônoma no Brasil, apresentada na Fenatran 2017, projetada para operação no setor sucroenergético, que roda sem a intervenção do motorista ao longo das linhas da plantação de cana de açúcar com uma precisão de direção de 2,5 centímetros, reduzindo a valores mínimos as perdas de produtividade pelo pisoteamento de soqueiras durante a colheita, um grave problema da indústria canavieira.

Foto: Volvo