Ponte do Abunã é inaugurada em Rondônia e beneficia a ligação com o Acre

O DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) realizou a entrega, nesta sexta-feira (7) da Ponte do Abunã, na BR-364, em Porto Velho (RO), que passa a integrar os estados de Rondônia e Acre. A obra é uma antiga reivindicação das populações dos dois estados, começou a ser construída em 2014 e faz parte do futuro projeto de interligação do Brasil com o Oceano Pacífico. A nova ponte possui 1.517 metros de extensão e sua construção recebeu investimentos de mais de R$ 160 milhões.

“Desde o primeiro dia do governo Bolsonaro, trabalhamos para entregar a Ponte do Abunã. Foi uma obra impressionante de engenharia sobre o Rio Madeira. Como resultado, estamos entregando mais do que uma ponte, estamos realizando um projeto de integração nacional, interligando o Acre e a Região Norte ao sistema rodoviário do país”, declarou Tarcísio de Freitas, ministro da Infraestrutura.

A nova ponte está localizada no encontro dos rios Madeira e Abunã, no distrito de Vista Alegre do Abunã (RO), região pertencente ao município de Porto Velho, na divisa com a Bolívia. A previsão é de que a ponte tenha um tráfego de mais de 2 mil veículos por dia. Desde a abertura da BR-364, entre Rio Branco (RO) e Porto Velho (AC), na década de 1980, a travessia sobre o Rio Madeira era feita por balsas, operação que levava, em média, duas horas entre incluindo espera e a travessia. Com a ponte, agora é possível cruzar o rio em menos de cinco minutos. Antes, os caminhoneiros tinham que desembolsar R$ 200 para a travessia de balsa do Madeira, o que acarretava considerável custo sobre o frete.

A Ponte do Abunã constitui-se em um segmento que torna contínua a BR-364, rodovia que é o principal corredor logístico de escoamento da safra de grãos de Rondônia e das regiões Norte e Oeste de Mato Grosso, por onde passam aproximadamente 8 milhões de toneladas de grãos por ano. A obra é também de fundamental importância para o estado do Acre, que conta com a BR-364 como via de integração com o restante do país, podendo a partir de agora receber e escoar mercadorias através da rodovia em menor tempo e com menor custo.

Foto: DNIT