DNIT entrega mais 22 km de pista duplicada na BR-101 na Bahia

O DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) realizou a entrega nesta semana de mais 22 quilômetros de pista duplicada na rodovia BR-101, no estado da Bahia. A rodovia é um dos principais corredores rodoviários do Brasil, cortando o país de Norte a Sul atravessando 12 estados. Na Bahia, a rodovia tem importância estratégica para o transporte do agronegócio e da indústria locais, e o objetivo da duplicação é o aumento da capacidade de tráfego e proporcionar maior segurança aos usuários.

O trecho baiano, com 165 quilômetros de extensão, foi dividido pelo DNIT em quatro lotes para a execução das obras, aproximadamente 41 quilômetros de extensão cada lote. O lote 1 mais 5 novos quilômetros tiveram trânsito liberado (do km 36,6 ao km 41,60), resultando em mais de 27 quilômetros sinalizados. No lote 2, 11 quilômetros de pista duplicada foram liberados (do km 67,80 ao km 78,80), resultando em 23 quilômetros no segmento. Os lotes 1 e 2 passam nos municípios baianos de Rio Real, Esplanada e Entre Rios.

O lote 4 é de grande importância para a região e faz a ligação rodoviária com os grandes polos comerciais e industriais do estado, como Alagoinhas, Pedrão, Teodoro Sampaio e Conceição do Jacuípe. Foram realizadas a duplicação e sinalização entre os km 158,5 e km 164,5, ou seja, 6 quilômetros de pista entregues.

O tipo de pavimento utilizado pelo DNIT para as rodovias é o rígido, que apresenta alta durabilidade, baixo custo de manutenção, resistência ao tráfego pesado, tendo em vista o intenso fluxo de carretas, bitrens e rodotrens nas principais rodovias brasileiras, além de proporcionar melhor qualidade de rolamento e segurança da pista.

O trecho da BR-101 na Bahia apresenta um tráfego de mais de 12 mil veículos por dia, dos quais 60% são relacionados ao transporte de cargas. A rodovia percorre o município de Alagoinhas, grande polo industrial da região Nordeste, com grande quantidade de fábricas de grande porte, como as de cervejas e refrigerantes (Grupo Petrópolis, FEMSA, ISM, entre outras), e de plantações de eucalipto para a indústria de celulose e carvão vegetal. O município também liga Salvador a Feira de Santana, principal centro logístico da Bahia, estendendo-se até a BR-324.

Foto: DNIT