Marcopolo e Scania fornecem primeiro ônibus de fretamento movido a GNV no Brasil

A Turis Silva, operadora de transporte de passageiros com sede em Porto Alegre (RS), adquiriu o primeiro ônibus rodoviário movido a GNV (gás natural veicular) para operações de fretamento no Brasil. O modelo é um Marcopolo Paradiso 1050 com chassi Scania K320 e capacidade para transportar 44 passageiros.

Tendo em vista as exigências de saúde devido à pandemia do novo coronavírus, o ônibus é equipado com tecnologia Marcopolo BioSafe, oferecendo sanitário e sistema de ar-condicionado com lâmpadas UV-C para desinfecção dos ambientes, cortinas com material antimicrobiano e dispenser de álcool em gel na entrada do veículo.

“Com sistema de áudio e vídeo, o modelo se destaca pelo elevado padrão de conforto, comodidade e segurança que oferece para os usuários, além de menores custos operacional e de manutenção para o operador”, informa Leandro Sodré, gerente nacional de Vendas da Marcopolo.

Segundo Fábio D’Angelo, gerente de vendas de Ônibus da Scania no Brasil, essa é a primeira versão rodoviária dedicada ao segmento de fretamento. “Temos perspectivas não só de operadores, mas de clientes contratantes. Assim como acontece com caminhões, os embarcadores vêm demandando soluções sustentáveis em sua cadeia logística. Os provedores de transporte estão sendo levados a comprar caminhões GNV e já existe esse movimento também para o transporte de fretamento”.

“Empresas com grande número de colaboradores, que têm notoriedade e compromisso com meio ambiente, vêm buscando alternativas ao diesel. Alguns operadores de fretamento já nos demandaram um ônibus a gás para o transporte de fretamento. Estamos trabalhando com isso e até o final do ano vamos lançar o produto”, complementa D’Angelo.

O executivo destaca que há interesse das distribuidoras de gás em fomentar a demanda de utilização de GNV, pois, além da sustentabilidade ambiental, proporciona redução do custo operacional em relação ao diesel. A carroceria Marcopolo recebeu modificações no projeto para permitir a instalação dos cilindros de gás entre as longarinas do chassi Scania.

Foto: Marcopolo