Governo anuncia nova tabela de frete e imposto de importação zero para pneus de caminhões

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) publicou no Diário Oficial da União o reajuste da tabela dos preços mínimos de frete rodoviário. Os valores foram atualizados de acordo com o atual índice de inflação e reajustes de óleo diesel, dos salários da categoria, custos de manutenção dos veículos e aumento nas tarifas de pedágio.

O aumento médio, que já está em vigor a partir desta semana, varia 2,34% a 2,51% de acordo com o tipo de carga e operação. “O cálculo das tabelas do peso mínimo é feito por meio de uma equação matemática contemplando os custos operacionais e mercadológicos presentes no serviço de transporte rodoviário de cargas”, declara Rodrigo Amorim, gerente de Regulação Multimodal da ANTT.

A tabela de preço mínimo do transporte rodoviário de cargas era uma antiga reivindicação dos caminhoneiros e foi criada em 2018. “Quem contrata o frete também tem que estar praticando essa metodologia, pois aí está a dignidade do ganho do caminhoneiro autônomo”, afirma Marlon Maues, assessor executivo da CNTA (Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos). Pela nova lei, o valor do frete deve ser reajustado a cada 6 meses. “Com isso pode ser corrigido qualquer desvio que haja ao longo desse período”, explica Maues.

Outra antiga reivindicação da categoria era a redução da tarifa de 16% para importação de pneus para caminhões. O governo anunciou que, a partir desta quinta-feira (21), pneus para caminhões entram no Brasil sem cobrança do imposto de importação. As medidas de reajuste do frete e o imposto zero sobre pneus importados visam a reduzir os custos do transporte rodoviário de cargas no país, em especial para os caminhoneiros autônomos.

Confira aqui a Resolução nº 5.923 publicada no DOU, contendo as tabelas atualizadas de frete

Foto: iStock