Volvo chega a 100 mil veículos comerciais conectados na América Latina

A Volvo atingiu a marca de 102,9 mil unidades de veículos conectados na América Latina, entre caminhões, ônibus e veículos de construção. Consideram-se conectados aqueles veículos que tenham um módulo de comunicação operando e trocando dados com a plataforma de conectividade da marca sueca. No mundo todo, são 1,1 milhão de veículos comerciais Volvo conectados.

“É um marco importante para a Volvo, que foi pioneira nesta área, trazendo muitos avanços para todo o setor. Usando as informações coletadas, basicamente conseguimos criar serviços e soluções que fazem o mundo de transporte mais seguro e eficiente”, declara Deise Kindinger, gerente de Conectividade da Volvo na América Latina.

Para caminhões, a Manutenção Inteligente Volvo (MIV) utiliza telemetria para a programação antecipada da manutenção dos veículos nas concessionárias, através do uso inteligente de dados coletados, podendo-se pré-agendar horários, separar peças de reposição, reservar espaço na oficina e reduzir o tempo do veículo parado. Esse programa, que ajuda a aumentar a eficiência e a reduzir custos operacionais para os clientes, já está disponível em toda a rede de concessionárias Volvo.

“A Manutenção Inteligente Volvo aumenta diretamente a disponibilidade dos caminhões. Com a conectividade, oferecemos a nossos clientes um planejamento preciso das manutenções, aumentando o tempo do veículo na estrada”, afirma Carlos Banzzatto, gerente comercial de Serviços da Volvo Caminhões.

Outro importante recurso de conectividade é o Dynafleet, sistema de gerenciamento de frotas de caminhões da marca que utiliza a conectividade para monitorar e permitir o acompanhamento individualizado da condução de cada motorista, orientando para se ter uma direção mais segura e econômica e reduzindo o desgaste dos veículos. O monitoramento pelo administrador da frota pode ser feito por meio de um smartphone ou de qualquer dispositivo com acesso à internet. Os motoristas também podem acessar o App Dynafleet para acompanhar seus desempenhos na condução dos veículos.

O Dynafleet possui ainda o pacote “Gestão de Combustível”, que permite que especialistas da Volvo monitorem e analisem as condições de consumo de combustível, assessorando remotamente os transportadores para uma operação economicamente mais eficiente. “O Dynafleet é outro importante aliado para aumentar ainda mais a disponibilidade e a rentabilidade dos caminhões Volvo”, argumenta Banzzatto.

Para caminhões pesados há o VAS on call, recurso pelo qual o motorista pode entrar em contato instantaneamente com técnicos na central do Volvo Atendimento Rápido (VOAR) localizado na fábrica da montadora em Curitiba (PR), através de um botão no painel do veículo, que permite comunicação viva-voz e envio dos dados e registros de falhas, facilitando e agilizando o diagnóstico remoto.

Para ônibus, o Controle de Velocidade Volvo, dentro do programa “Zero Acidentes” da marca, limita a velocidade de ônibus pesados urbanos e rodoviários em trechos de trânsito considerados críticos. Através da conectividade, o sistema cria “cercas eletrônicas virtuais” que identificam em tempo real quando o veículo se aproxima de pontos de risco já previamente definidos na rota.

“Aplicado com sucesso em biarticulados Volvo em Curitiba (PR) e Bogotá (Colômbia), o sistema reduziu as colisões em 50% (Curitiba) e 60% (Bogotá), no ano seguinte à sua ativação”, afirma Vinicius Gaensly, gerente global de Conectividade da Volvo Buses.

Outro item de conectividade para os ônibus Volvo é o Pro Active Quality, “uma ferramenta que permite a identificação prévia de problemas nos veículos e alerta as concessionárias para um reparo assertivo”, explica Alexandre Sampaio, gerente de Serviços da Volvo Buses na América Latina.

Para equipamentos de construção, como os caminhões off-road com chassi rígido e articulados para mineração, a Volvo disponibiliza o ActiveCare Direct (ACD), que funciona em conjunto com o CareTrack, o sistema de telemática da Volvo Construction Equipment. Com dados e informações, os especialistas da marca e da rede de distribuidores ajudam os gestores de frotas a atingir o melhor desempenho possível na operação no canteiro de obras.

“O ACD revela situações que podem ser melhoradas ou evitadas durante a operação: uso excessivo de marcha lenta, deslocamento do equipamento em velocidade acima da recomendada, escolha equivocada do modo de trabalho, desligamento em alta rotação do motor e eventuais riscos de falhas”, esclarece Daniel Campos, gerente comercial de Serviços da Volvo Construction Equipment Latin America.

Foto: Volvo