China deverá ser um dos principais investidores em infraestrutura no Brasil

De acordo com dados do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC), com base em fontes como o Ministério de Comércio da China, Banco Central do Brasil e outros institutos internacionais, até 2018 o estoque de investimentos chineses no Brasil somou cerca de US$ 60 bilhões, mas pode chegar a US$ 80 bilhões em 2020, aproximando o país asiático dos maiores investidores externos no país, grupo liderado pelos EUA e países europeus.

A partir de 2014 começaram a chegar ao Brasil volumosos investimentos da China em infraestrutura. Em 2018, foram confirmados mais investimentos, com aportes no setor de armazenamento e atividades auxiliares dos transportes, através de investimentos da PetroChina na pernambucana TT Work e da China Communications Construction Company, que lidera o projeto de construção do Terminal de Uso Privado Porto São Luís (TUP), no Maranhão.

De acordo com o Banco Central, considerando a participação no capital e a China como investidor controlador final, o estoque em 2019 era de US$ 28,121 bilhões. Na metodologia do BC, o maior investidor em estoque de IDP são os Estados Unidos, com US$ 145 bilhões no fim de 2019. Já segundo o China Global Investment Tracker, painel compilado pela American Enterprise Institute e The Heritage Foundation, que é utilizado pela CEBC como uma das fontes de dados, temos um estoque de US$ 68,6 bilhões de investimentos de matriz chinesa no Brasil até 2019.

Considerando o Boletim de Investimentos Chineses no Brasil, feito pelo agora extinto Ministério do Planejamento, entre 2003 e 2018, os aportes chineses totalizaram US$ 54 bilhões. E olhando para o Boletim de Investimentos Estrangeiros – Países Selecionados, publicação do Ministério da Economia, elaborado pela Secretaria Executiva da Câmara de Comércio Exterior (Camex), a China tinha um estoque de US$ 80,5 bilhões em investimentos realizados entre 2003 e setembro de 2019.

Sendo atualmente o principal parceiro comercial do Brasil, através do grande volume de importação de commodities e de exportação de manufaturados, a China começa a ter cada vez mais interesse em investir no país em vários segmentos do mercado, entre eles o de infraestrutura, setor de fundamental importância para o comércio exterior, em um país que é certamente um dos mercados estratégicos para a atuação global chinesa.

Com informações de O Globo