Mercedes-Benz inaugura a primeira fábrica 4.0 de chassi de ônibus do Brasil

No dia em que completou 64 anos de atividades no Brasil (28 de setembro), a Mercedes-Benz inaugurou sua nova linha de montagem 4.0, tornando-se a primeira fábrica de chassi de ônibus dentro deste conceito no país. A unidade 4.0 foi construída dentro do seu histórico complexo industrial de São Bernardo do Campo (SP).

“Investimos mais de R$ 100 milhões na nova fábrica 4.0 de chassis de ônibus. Esse aporte faz parte do ciclo de investimentos de R$ 2,4 bilhões da nossa empresa entre 2018 e 2022”, ressalta Karl Deppen, presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO para a América Latina. “Mesmo num momento desafiador de recuperação da economia, especialmente nesse segmento, estamos entregando a fábrica de ônibus mais tecnológica do país. Não deixamos de acreditar no Brasil, pensando também nos nossos colaboradores, clientes e na sociedade como um todo. Já estamos, portanto, vivendo o futuro também em ônibus”.

O processo de implementação da indústria 4.0 na Mercedes-Benz do Brasil teve início com a linha de caminhões em 2018, seguida pela de cabines em 2019 e chegando agora à de ônibus. O próximo passo é tornar as linhas de agregados, como motores, câmbios e eixos, igualmente 4.0, trazendo mais ganhos de eficiência e produtividade na montagem dos veículos.

“A inauguração da nova fábrica 4.0 de chassis de ônibus coloca nossa planta brasileira num patamar ainda mais elevado de tecnologia, eficiência, produtividade e melhor ambiente de trabalho. Ela alcança, assim, um novo padrão mundial de qualidade e melhores práticas, estando totalmente preparada para o futuro e se tornando referência mundial”, diz Till Oberwörder, chefe mundial da Daimler Buses. “Essa conquista reafirma a importância estratégica da Mercedes-Benz no Brasil como o maior mercado de ônibus para o Grupo Daimler no mundo, onde temos uma liderança histórica e destacada. Além disso, reforça seu papel como centro mundial de competência da Daimler para desenvolvimento e produção de chassis de ônibus da marca Mercedes-Benz”.

Entre os avançados recursos da nova linha de montagem, destaca-se o Bus Data Center, plataforma online que permite o acompanhamento de 100% das operações da linha Ônibus, desde o planejamento até a qualidade feita no encarroçador, por qualquer plataforma (celular, laptop ou táblete). Essa ferramenta tem interface com diversas áreas da planta de São Bernardo e, no futuro, com outras fábricas da Daimler.

Na nova linha foram também implantados AGV (Automatic Guided Vehicle ou veículo guiado automaticamente), EOM (Electrical Overhead Monorail, sistema de transporte aéreo), elevadores automáticos, célula robotizada, apertadeiras eletrônicas, chamadas de peças por wi-fi e monitores touch screen de tela ampla. Na logística de peças, destacam-se as empilhadeiras com câmeras que orientam toda a movimentação e sensores luminosos nas prateleiras de estoque que monitoram a entrada e a saída de materiais.

“Dados gerados por equipamentos como as apertadeiras eletrônicas e AGVs, por exemplo, são armazenados em um data lake e alimentam sistemas de inteligência artificial e big data”, informa Sérgio Magalhães, diretor geral de Ônibus América Latina. “Utilizando recursos de Analytics, pode-se monitorar a qualidade de todos os produtos, detectar falhas e até fazer uma correlação com as informações de Vendas, flexibilizando o mix de produção”.

A nova fábrica de ônibus da Mercedes se destaca pela inteligência em aproveitamento de espaço. O conceito One roof assembly e o formato em Y da linha de produção permitem que sejam inseridos diversos modelos de chassis de ônibus simultaneamente na montagem, ganhando-se em flexibilidade na produção. Atualmente, são mais de 2 mil variantes de chassis de ônibus no portfólio da linha de montagem de São Bernardo do Campo, desde os micro-ônibus LO aos O-500 articulados e superarticulados BRT.

“A nova linha de produção de chassis de ônibus foi planejada em softwares de simulação 3D. O projeto foi desenvolvido para verificar a funcionalidade e a capacidade, assegurando o melhor conceito de cada equipamento e processo”, explica Magalhães. “Saímos de uma fábrica virtual no computador para a fábrica real com mais assertividade, otimizando a execução da obra. E o mais desafiador: conseguimos construir a nova linha sem interromper a produção. Ou seja, trocamos o pneu com o ônibus andando, não deixando de atender os pedidos dos nossos clientes do Brasil e dos mercados de exportação”.

Foto: Mercedes-Benz