Mercedes-Benz encerra produção do seu caminhão bicudo

A Mercedes-Benz produziu na planta de São Bernardo do Campo (SP) no final do mês de junho a última unidade do cavalo mecânico Atron 1635, último modelo bicudo da marca que ainda continuava em linha. A Mercedes informa que o Atron já possui como seu sucessor o Axor, nas versões 2036 4×2 e 2536 6×2, com novas versões desses modelos que apresentam robustez e resistência para aplicações típicas do Atron.

“O Atron concluiu sua missão com êxito. Ele é o último representante de uma geração de caminhões com cabina semiavançada lançada há 31 anos e que deu um salto de qualidade, modernidade e eficiência no mercado brasileiro. Entre eles, eu destaco os extrapesados LS 1935 e LS 1941, antecessores do Axor, e os médios e semipesados de 12, 14, 16 e 23 toneladas de PBT, substituídos depois pelo Atron e, hoje, pela linha Atego”, informa Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil.

“Como antecipamos na Fenatran do ano passado, a produção do Atron seria encerrada este ano, dentro de um processo natural de evolução tecnológica de nossa linha de caminhões. O Axor irá manter aquilo que os clientes já conhecem e aprovaram no Atron 1635, agregando ainda mais valor em qualidade, desempenho, economia, conforto e tecnologia. Temos certeza que os clientes logo perceberão esses ganhos, como aconteceu com o Atego em lugar de outros Atron desde 2016”, conclui Leoncini.

A linha com cabine semiavançada da Mercedes começou a ser comercializada no Brasil em 1989 com os modelos L 1214 e L 1218 e os semipesados L 1414, L 1418 e L 1618. Um ano depois, vieram os extrapesados LS 1935 e LS 1941 e vários outros modelos. Esse modelo bicudo foi um projeto exclusivo desenvolvido para o Brasil, não foi lançado em outros mercados da Mercedes, como a Europa, mas o projeto foi comercializado nos Estados Unidos com marca Freightliner, braço da Daimler Trucks nos EUA, mas apresentando frente bicuda diferente, com a grade característica da marca norte-americana, embora a cabine fosse a mesma dos Mercedes.

Com a saída do Atron, deixa de ser produzido o último caminhão bicudo brasileiro, outras marcas, como a Volvo e a Scania, já haviam retirado de linha há alguns anos no mercado brasileiro os seus modelos com motor à frente da cabine.

Foto: Mercedes-Benz